43. (De São Paulo De Piratininga) Décio Pignatari: Crítico de Linguagens

Se houve uma concordância geral, tanto de amigos e aficionados, como de desafetos (e estes, como aqueles, proliferaram ao longo de décadas), foi quanto à inteligência fulgurante de Décio Pignatari (1927-2012), que se manifestou em sua atividade crítica, propriamente, na da polêmica e como docente. Pignatari viveu um período, no Brasil, em que ainda se lutava por ideias e isto foi o que sempre o norteou, mesmo em época de maturidade, em que se observou um arrefecimento do espírito de luta, e desânimo com relação à questão ‘Brasil’, e em que vanguardas praticamente inexistiam, ou seja, a formação de “grupos” passou a ser coisa rara ou mesmo inexistente. Nada era pacífico para alguém que sempre primou pela radicalidade.

Lá pelos idos dos ‘90, século passado, tendo observado uma narração, pela TV Globo, do Carnaval carioca, na Marquês de Sapucaí, uma descrição frouxa e insípida, sem nenhuma substância, a escritora Samira Chalhub falou: “Fosse um Décio Pignatari e teríamos lascas de brilho, paradoxos, material para pensar, passaríamos por um verdadeiro processo de aprendizado. O cara, de facto, é capaz de tirar leite de pedra!” Isto indiciava o alto e vasto repertório, a capacidade de discernimento e de verbalização de Décio Pignatari que, em muitas ocasiões, bradou pelo não-verbal, pelo icônico, contra a tirania do verbo, mas que possuía um desempenho verbal oral (e a sua contrapartida escrita) como poucos, neste País! Tendo conhecido pessoalmente Décio Pignatari em fins de 1974, inícios de ‘75, pude, ao longo de quase 4 décadas, ter o privilégio de tê-lo como interlocutor sendo que, em verdade, eu mais ouvia do que falava. Ninguém saía de uma conversa, uma aula, a leitura de um seu texto – fosse metalinguístico, fosse poético – sem ter o que pensar ou mesmo re-pensar. Cheguei a organizar uma série de ditos do Mestre, que traziam algo de inusitado, de paradoxal, trabalho que um dia deverá ser publicado. Assisti a duas palestras de Décio Pignatari nos últimos de seus anos: uma na Casa das Rosas – Hora H 14.08.2009 – sobre a qual anotei em minha agenda: “Discurso ácido sobre a incompetência brasílica – generalização”. A outra em 07.10.2009, no SEMPRE UM PAPO, SESC-Vila Mariana: “Ainda brilha o astro!” O tema era ‘O fim da literatura’. Cerca de ano e meio depois, Décio Pignatari mergulhava num processo de desmemória. É difícil encontrar texto de Décio sobre Linguagem onde a reflexão não atinja as várias Artes. E isto pode ser detectado desde as primeiras críticas assumidas em livro, como as que constam do Teoria da Poesia Concreta, obra em que divide a autoria com os irmãos Augusto e Haroldo de Campos. Trata-se de um pensamento, de uma visão intersemiótica, marca registrada do Concretismo poético paulista e que já encontra coroamento no mais famoso dos manifestos, o qual divide com os irmãos Campos: o “Plano-Piloto para Poesia Concreta”, de 1958 em que, entre os precursores de seu Concretismo Poético, são relacionados além de poetas, propriamente, músicos e artistas plásticos. Pensador das linguagens, possuía a vantagem da capacidade de síntese, coisa que falta a muitos dos críticos, principalmente os de formação filosófica, que necessitam de 300 páginas para dizer o que um Décio Pignatari diria em 15, apenas. Trabalhos de maior fôlego de Décio Pignatari estão ligados à sua vida acadêmica – ele optou em definitivo pela Docência, no que diz respeito à sua fonte de sustento – e são os que se tornaram livros, como o Semiótica e Literatura (no Doutorado) e o Semiótica da Arte e da Arquitetura (na Livre-Docência). Por outro lado, DP não carregava o ranço acadêmico dos que se veem obrigados a detestar a Televisão – foi dos primeiros intelectuais brasileiros a enxergá-la como um veículo e até de participar de programas populares, além das muitas entrevistas que concedeu. E escreveu sobre a TV, como nunca se havia escrito, no Brasil – os artigos semanais do Jornal da Tarde vieram a se constituir em livro : Signagem da Televisão, uma seleção e rearranjo de textos, em verdade (aí, “signagem” – mais um de seus neologismos – em lugar de “linguagem”, que poderia necessariamente remeter ao código verbal). Se a crítica das Artes Visuais e da Música foram ocasionais, dentro da atividade crítica de Décio Pignatari, todo o tipo de metalinguagem que veio a fazer acabava por roçar outros campos, bem porque foram constantes e intensos os contatos do poeta com músicos e artistas plásticos e até cientistas da linguagem, como Roman Jakobson. Por exemplo: o contato com o compositor e regente Pierre Boulez (1925-2016) teve início em São Paulo, onde o músico esteve, no 1º semestre de 1954, e se prolongou na sua estada de pouco mais de um ano em Paris, onde os dois tinham encontros quinzenais. Em registro datado de 9 de abril de 1955, Décio Pignatari narra uma conversa que teve com o autor de Le Marteau sans Maître, donde eu, somando ao que ouvi do próprio Décio, conclui (à maneira de corolário), que quando se tem uma ideia, em Arte, é preciso executá-la e não esperar que condições ideais se configurem, pois, daí, não mais se a realiza – obras têm de ser feitas mesmo que apesar de… (e vai, aí, um pouco de Nietzsche). Cage foi uma outra figura exponencial com quem DP travou conhecimento. No Brasil, estará em contato direto com os músicos de vanguarda (a começar por Hans-Joachim Koellreutter – 1915-2005), a partir dos anos de 1960, sem excluir músicos do universo popular. Como embasamento teórico para os exercícios artísticos e críticos de Décio Pignatari, teríamos a destacar nomes como: Edgar Allan Poe (1809-1849), amado por Stéphane Mallarmé (1842-1898), que não foi tão considerado por Ezra Pound, amado pelos concretistas, que o tinham como um semi-deus. Charles Sandres Peirce (que amava Poe) entra nas cogitações de DP, já nos anos 1950, mas toma corpo nos ‘60 e se avoluma dos ‘70 em diante. Teoricamente, podemos observar, com nitidez, dois momentos (que acabam por se interpenetrar) norteadores, no Décio Pignatari inventor e mestre, momentos esses comandados por dois grandes teóricos: 1º Ezra Pound (1885-1972), poeta, tradutor e crítico e que é o grande mentor dos criadores da Poesia Concreta no Brasil, muito embora pareça que o Pai não chegou a se reconhecer nos Filhos, coisa comum em Arte e outros universos, mas principalmente na arte do século XX. Pound é a grande figura (e o livro ABC of Reading, traduzido no Brasil como ABC da Literatura, uma espécie de bíblia), muito embora o deus fosse Mallarmé-poeta (Un coup de dés jamais n’abolira le hasard – 1897), criador que Pound excluiu do Paideuma, preferindo outra linhagem dentro do Simbolismo francês. Pound fornece todo um instrumental crítico (rigoroso), cuja operacionalidade foi testada e aprovada – falando essencialmente de Literatura e Poesia mais especificamente, as máximas poundianas transbordavam de tais limites e atingiam outras áreas da criação artística. Os concretistas paulistas tiveram a grandeza de discernir as grandezas do estadunidense, não se deixando levar pela deplorável opção política do Mestre, no período que antecede e adentra a Segunda Guerra Mundial, e quem ganhou com isto foi a Poesia. 2º Charles Sanders Peirce (1839-1914). Décio Pignatari, que sempre se interessou pelo pensamento científico, encontrou no filósofo estadunidense (em sua Semiótica ou Lógica, parte de todo um sistema filosófico elaborado pelo pensador estadunidense) conceitos que norteariam sua visão das coisas da Linguagem, um universo muito mais vasto e preciso do que o da Semiologia expressa em Língua Francesa (e que ele, Décio Pignatari, combateu o quanto pôde, pelo seu logocentrismo, com a prevalência, portanto, da Linguística como norteadora de pesquisas de linguagem). O estudo da Semiótica peirceana, cujo primeiro contato DP teve por revelação em Ulm-Alemanha (Hochschule für Gestaltung), de Tomás Maldonado (1922-), vai se aprofundar, em verdade, nos anos 1960, estendendo-se aos ’70 e norteará, em boa parte, o pensamento pignatariano. Há outros pensadores importantes para Décio Pignatari: de Poe a Valéry, mas os acima indicados é que desempenham papel principal em seus exercícios pensamentais envolvendo as Artes: da Poesia e Literatura em geral, à Pintura, Arquitetura, Música e Cinema, assim como das novas mídias, com a TV ocupando um lugar importante. Em suas aulas e outros tipos de preleção, assim como em seus escritos, sempre que adentrava o universo diacrônico, abordava a Revolução Industrial (que mereceu dele especial destaque) e as transformações por que passaram as linguagens artísticas e não-artísticas, como desdobramentos do advento do Modo de Produção Capitalista, a começar pela invenção da Fotografia, do Código Morse etc. Na especificidade brasileira, chamou a atenção para a importância que o Positivismo teve para nossa cultura, em certa época, lamentando a desimportância que a média da intelectualidade brasileira atribuía àquela corrente pensamental. Há que se ser radical no pensamento, o qual se expressa por palavras e atitudes, mesmo sob pena de erros colossais e acertos cósmicos. E Décio Pignatari não era de deixar as coisas passarem, nem de pecar por omissão. Nos inícios dos anos 1960, frente à solicitação de abrandamento de atitudes por parte do poeta Cassiano Ricardo, DP bradou: “Na geleia geral brasileira alguém tem de exercer o papel de medula e osso!”. “Geleia geral brasileira”: expressão que depois seria utilizada em letra de canção por Torquato Neto – alusão à desdiferenciação observada em nosso país, que colocava tudo no mesmo saco, ignorando parâmetros elevados. Quando da publicação da antologia Noigandres 5, com capa reproduzindo um quadro de Alfredo Volpi (que fazia parte de sua coleção particular), aparece na 1ª orelha do volume algo que tem tudo para ser de DP: “capa: homenagem do grupo noigandres a alfredo volpi, primeiro e último grande pintor brasileiro”. Logo que assistiu ao filme Iracema – uma transa amazônica, dirigido por Jorge Bodanzky e Orlando Senna, entusiasmadíssimo, elevou o filme à categoria de obra-prima e disse: “Fellini terá de rever seus filmes” – por certo, apesar das qualidades do filme referido, um exagero que não chegou, pelo que me consta, a repetir. A uma pergunta de Régis Bonvicino, sobre se o verso seria, novamente, uma das estruturas possíveis do poema, numa época do vale-tudo, em uma entrevista publicada no jornal Diário de S. Paulo, de 9 de novembro de 1978, deu uma resposta demolidora de ilusões: “Transpondo aquele koan do Suzuki, contado pelo Cage, em A year from Monday: antes da poesia concreta: versos são versos. Com a poesia concreta: versos não são versos. Depois da poesia concreta: versos são versos. Só que a dois dedos da página, do olho e do ouvido. E da história.” Por ocasião da grande mostra na Pinacoteca do Estado, em São Paulo e Rio de Janeiro: “Projeto construtivo brasileiro na arte: 1950-1962” – 1977, com curadoria de Aracy Amaral, sentiu que o Concretismo paulista havia sido prejudicado de vários modos e os artistas que haviam operado a partir do Rio de Janeiro haviam levado a melhor – concretos e neoconcretos – iniciou uma polêmica pela revista Arte hoje, que acabou por envolver, além de Ferreira Gullar, o poeta Augusto de Campos. Sempre considerou os artistas do “Grupo Ruptura” injustiçados e que deveriam, pois que mereciam, ter uma abordagem crítica maior e mais consistente, bradou aqui e ali, mas considerou que era tarefa para um crítico especializado. Chegou a dizer várias vezes que Aracy Amaral seria a grande crítica para os paulistas (ou os que operaram a partir da cidade de São Paulo), mas que ela os havia traído. Tudo indicaria que a importante crítica teria enorme simpatia pelos artistas que operaram a partir do Rio de Janeiro, favorecendo-os, de algum modo. Chegou a chamar a atenção para os papéis que Antônio Dias havia feito no Nepal. Adoração por Oswald de Andrade e simpatia por Tarsila do Amaral: “Eles utilizaram parte das fortunas de suas famílias para adquirir um alto repertório (em Paris etc…).” Interessantes as críticas-relâmpago feitas à maneira de longas legendas de figuras, em livros como o Contracomunicação. Quanto a Julio Plaza, artista espanhol radicado no Brasil – e tudo indica que aqui permaneceu dado o seu maravilhamento pela Poesia Concreta e congêneres – chegou a dizer que o seu grande problema era o do pretobranquismo: “Julio Plaza tem de sair do preto-e-branco!” Elogiou muito a capa que JP fez para a 1ª edição do seu Poesia pois é poesia, editado nos anos 1970 pela Livraria e Editora Duas Cidades: “O espanhol me fez uma bela capa”. Num momento de ira: “Julio Plaza é um plagiador!” – em verdade, uma referência às apropriações criativas que Julio Plaza fazia. Em 1980, em texto curto para uma exposição de Julio Plaza, Décio Pignatari escreveu: “Suas leituras-visualizações de poemas são algo de raro e novo: poucos artistas conviveram tanto e tão profundamente com poemas e poetas. Notável é a sua leitura do poema ‘Cidade’, de Augusto de Campos, onde a linearidade é rompida paródica e realisticamente por um excesso de acidentalização tipográfica, como que a dizer que a paisagem urbana, seu skyline, aparentemente uniforme à distância, é menos montagem do que colagem (e a viva-cidade de colocar o VIVAIA, do próprio Augusto, no meio da runicidade).” Grande poeta, Décio Pignatari ainda não conta com uma fortuna crítica apreciável, mas ficam para a Posteridade peças que têm maravilhado sensibilidades informadas, que o colocam como um dos mais importantes fazedores do século XX, em âmbito internacional, ele que costumava proceder a comparações, sempre a considerar os feitos planetários para emitir os seus juízos. Costumo colocar DP como o olho tipográfico mais agudo do Planeta, no século que acabou de passar, juntamente com o estadunidense E. E. Cummings. Além dos poemas que se seguem e que atestam sua capacidade de arranjos gráficos (e semânticos), poderia destacar trabalhos de programação visual e elaboração de capas, como a dos Cantares, de Ezra Pound, do livro de poemas Um e dois, de José Lino Grünewald, o livro Soma, de Edgard Braga, a capa do Teoria da Poesia concreta, a logo-capa da revista Invenção – dos 5 números, com variação apenas da cor de fundo e das matérias anunciadas. Como pintor, propriamente, DP foi menos que bissexto e, pelo que eu saiba, nunca se pretendeu colocar como tal. Numa pequena antologia de poemas de Décio Pignatari, eu escolheria, para já começar impactando o leitor, as seguintes peças: Eupoema, Noção de Pátria, “Move-se a brisa ao sol”…, Um Movimento, Terra, (beba) coca-cola, Life, Organismo, Stèle pour vivre 4, Noosfera (que o autor, antes que poesia, prefere chamar de prosa). Uma antologia de textos críticos/teóricos de Décio Pignatari deveria conter: Volpi, Teoria da Guerrilha Artística, A Ilusão da Contiguidade, A Metalinguagem da Arte, O paleolhar da televisão, Errâncias (o livro todo, que é quando e onde o exercício de escrituração em prosa metalinguístico-memorialista atinge o seu apogeu, alcançando um nível pouco visto entre nós). Muitos dos textos críticos de Décio Pignatari foram publicados na grande mídia, sendo que, às vezes, os títulos foram refeitos, em função do que o editor achasse que era mais conveniente. Ao republicá-los em livro, os títulos eram recuperados, como o que foi publicado no Jornal da Tarde, de 13.02.1982, em que consta “A semana que não houve nas nossas artes plásticas”, constando, no livro Cultura Pós-Nacionalista: “Semana de Arte Moderna: 22, 32, 42, 52, 62, 72, 82, 92, 2002…” Há todo um material a ser lido e relido, descolado da pena de Décio Pignatari que, juntamente com companheiros de jornada poética e teórico-metalinguística, marcou em definitivo – o antes e o depois da Poesia Concreta – e elevou a produção de linguagem no Brasil. A qualidade de sua poesia, assim como de sua produção metalinguística, representa acréscimo significativo ao patrimônio geral da História da Sensibilidade.

Fontes:

.CAMPOS, Augusto de, PIGNATARI, Décio e CAMPOS, Haroldo de (2006) Teoria da Poesia Concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. Cotia-SP: Ateliê, 2006.

.PIGNATARI, Décio (1979) Alfabeto Vertical. In: Através 3. São Paulo: Duas Cidades, p. 60-63.

.__________ (1976) A Metalinguagem da Arte. In: Escrita: Revista Mensal de Literatura 9. São Paulo: Vertente, p. 15-17.

.__________ (1980) As Armadilhas para o Espaço de Julio Plaza. Verso do cartaz anunciando a exposição Arte como Arte, de Julio Plaza, no MAC-USP.

.__________ (1977) A ilusão da contiguidade. In: Através 1. São Paulo: Duas Cidades, p. 30-38.

.__________ (1982) A Semana que não houve nas Artes Plásticas. In: Jornal da Tarde, “Caderno de Programas e Leituras”, de 13.02.1982, p. 1 e 2.

.__________ (1971) Contracomunicação. São Paulo: Perspectiva.

.__________ (1998) Cultura Pós-Nacionalista. Rio de Janeiro: Imago.

.__________ (1956) Depoimento: Poesia ideogrâmica ou Concreta. In: Revista Graal: Poesia. Teatro. Ficção. Ensaio. Crítica. 2. Lisboa: ENP-Empresa Nacional de Publicidade, junho-julho de 1956, p. 208-9.

.__________ (1978) Encontro com Boulez. Après-midi de 9 abril 1955, sábado, Aleluia. In: Leminski, Paulo ed. Polo Cultural Inventiva 32. 14 de dezembro de 1978. Curitiba: Escritório de Promoção da Cultura Paranaense, p. 7.

.__________ (1987) Entrevista. In: Cocchiarale, Fernando e Geiger, Anna Bella (org.) Abstracionismo Geométrico e Informal: a vanguarda brasileira nos anos cinquenta. Rio de Janeiro: Funarte-Instituto Nacional de Artes Plásticas, p. 70-83.

.__________ (2000) Errâncias. São Paulo: SENAC.

.__________ (1979) História sem estória. In: Através 3. São Paulo: Duas Cidades, p. 71-74.

.__________ (1973) Informação. Linguagem. Comunicação. 6ª ed. São Paulo: Perspectiva.

.__________ (1995) Letras Artes Mídia. São Paulo: Ed. Globo.

.__________ (s.d.) Montagem, colagem, bricolagem ou: mistura é o espírito. In: Cadernos PUC 8 – Arte e Linguagem. São Paulo: PUC, p. 85-89.

.__________ (1988) O paleolhar da televisão. In: Novaes, Adauto (org.) O olhar. 9ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, p. 487-492.

.__________ (1981) Oswald psicografado por Signatari. Edição especial da revista Código 6. Salvador-BA: Ed. Erthos Albino de Souza.

.__________ (1988) Podbre Brasil: crônicas políticas. Campinas: Pontes.

.__________ (2004) Poesia pois é Poesia: 1950-2000. Cotia-SP: Ateliê-Campinas: Ed. da UNICAMP.

.__________ (2004) Semiótica da Arte e da Arquitetura. 3ª ed. Cotia-SP: Ateliê Editorial.

.__________ (1983) Semiótica da Montagem. In: Através 1. São Paulo: Martins Fontes, p.168-174.

.__________ (1981) Semiótica da TV. In: DeSinos 6. São Paulo: Ed. Samira Chalhub et alii, p. 6 e 7.

.__________ (1974) Semiótica e Literatura. São Paulo: Perspectiva.

.__________ (1984) Signagem da Televisão. São Paulo: Brasiliense.

.__________ (1983) Teotihuacan: o design da água. In: Através 1. São Paulo: Martins Fontes, p. 175-178.

.__________ (1977) Tempos Concretos. In: “Caderno de Domingo”, seção “Artes Visuais”, da Folha de S. Paulo, de 19 de junho de 1977, p. 56.

.__________ (1980) Um neolítico de consumo. In: Ramos, Oscar e Figeiredo, Luciano (org.) Rio Deco. Rio de Janeiro, Achiamé, 4 páginas não-numeradas.

.__________ (1986) Um radical inseguro. In: Waldemar Cordeiro: uma aventura da razão (catálogo de exposição). São Paulo: MAC-USP, p.11 e 12.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.